.

ITIL em pequenas organizações: estratégia de serviços


Vídeo da Palestra Virtual ministrada via Hangout sobre a adoção dos processos da Estratégia de Serviços da ITIL em pequenas empresas

Gravação em vídeo dos Hangouts dos dias 10/04/2014 e 17/04/2014 em parceria com a PMG Academy


Planta nascendo, representando uma pequena empresa
ITIL para pequenas empresas
Caros amigos do Portal GSTI, 
agradecemos a todos que estiveram presentes em mais uma semana de Hangouts!

A seguir, disponibilizamos os dois vídeos das palestras realizadas para este tema: ITIL em pequenas organizações - parte 01: Estratégia de Serviços de TI. O material utilizado durante o evento também está disponível para download. 

Sobre os organizadores e palestrante

Este evento é mais um resultado de uma parceria entre o Portal GSTI e a PMG.

Agradecemos a toda a equipe da PMG que sempre nos oferece apoio e suporte, garantindo a realização dos eventos que temos conduzido juntos. 


Perfil do palestrante:

Sobre o Hangout

Descrição: nesta palestra, Fernando Palma sugere como adaptar os processos da etapa de estratégia de serviços de TI da ITIL ao contexto de uma pequena empresa. Para tanto, demonstra o passo a passo da adoção simplificada dos processos de: Gestão do Portfólio de Serviços, Gestão da Demanda e Gerenciamento Financeiro.

A duração da palestra é de aproximadamente 02 horas e + 01 hora para perguntas. Total: 03 horas

ITIL em pequenas empresas: estratégia de serviços 10/04/2014

ITIL em pequenas empresas: estratégia de serviços 17/04/2014


Material utilizado durante a palestra (download aqui)


Para acompanhar os vídeos do Portal GSTI siga o nosso canal do Youtube


Para ser convidado para Hangouts como este, siga nossa página do Google+

Contato

Caso deseje:

  • tratar dúvidas
  • oferecer sugestões / feedback
  •  contratar palestras presenciais
Entre em contato: [email protected]

Aguardamos vocês nos próximos eventos!

Outros vídeos de palestras virtuais:

Como fazer a “desengenharização” das Tecnologias de Informação?


Consultório Portal GSTI #29 – Como fazer a “desengenharização” das Tecnologias de Informação?


Caros leitores,
Tenho de começar por dizer que este artigo não é sobre Engenheiros mas sobre a “Engenharização” das Tecnologias de Informação!

Num telefonema, numa reunião, numa apresentação mais ou menos formal existe um preconceito de chamar “Sr. Doutor” a alguém da área de Gestão e invariavelmente “Sr. Engenheiro” a partir do momento que se apercebem que trabalhamos na área das Tecnologias de Informação. É uma espécie de preconceito sem grande impacto social mas que cada vez mais tem impacto na forma como as empresas criam valor.

Durante muitos anos assistimos a um cenário em que muitas empresas eram geridas por “Sr. Doutores”, exceto nos negócios em que a Engenharia era o produto ou serviço da Organização onde os “Srs. Engenheiros” acabavam por dar uma mãozinha na gestão da empresa nos intervalos do processo produtivo ou da investigação e desenvolvimento.

Durante muito tempo a Gestão e a Engenharia foram duas caras da moeda numa organização e as mais-valias das suas competências estavam bem definidas. Os Gestores mantinham o negócio funcionando e os Engenheiros mantinham a operação das máquinas e o sucesso estava garantido. Mas depois chegaram as Tecnologias de Informação…

Mais uma vez, reforço que as Tecnologias de Informação não devem ser apenas ser entendidas na sua dimensão Tecnológica, mas na sua visão holística de todos os elementos que contribuem para que a informação possa contribuir para a criação de valor na Organização

É por isto que as Tecnologias de Informação não podem ser apenas associadas ao nível de operacionalização nem apenas a um desafio dos Engenheiros das Organizações.

A linguagem associada às Tecnologias de Informação deve ser adequada ao ambiente onde é utilizada, sendo cada vez mais importante que se entenda que se pode falar de Tecnologias desde os stakeholders até aos "técnicos de informática", passando pelo Conselho de Administração e pelos Órgãos de Gestão.

No framework COBIT 5 da ISACA é destacada a importância de considerar as Tecnologias de Informação de forma transversal na Organização (Princípio #2), destacando-se a importância da componente “Funções, Actividades e Relações” no Sistema de Governança da Organização. A figura seguinte ilustra os principais grupos de funções numa Organização e a forma como interagem entre si.
Imagem ilustra os grupos e funções pela ISACA
grupos e funções
Com este diagrama entendemos que a Tecnologia de Informação não deve ser apenas considerada uma disciplina funcional, mas um tema que deve estar na agenda de toda a Organização.

O local onde é provavelmente mais difícil passar esta mensagem é sem dúvida o Conselho de Administração. Muitas Administrações acabam por servir apenas de roteador para temas relacionados com Tecnologias, encaminhando a toda a velocidade para o responsável de TI todos os temas que de forma direta ou indireta estejam relacionados com Tecnologias ou Comunicações. Independentemente do estilo ou competência do responsável de TI, quando o tema leva um despacho deste tipo no Conselho de Administração, é quase sempre difícil que lá volte com outro tipo de valorização.

A solução? Fazer com que o Conselho de Administração passe a valorizar o tema das Tecnologias de Informação assumindo as suas responsabilidades na Governança deTI da Organização e dessa forma passe a valorizar os benefícios, oportunidades, ameaças e necessidades de otimização dos recursos de TI.

Aqui ficam algumas questões que podem e devem ser feitas nos órgãos de governança antes de despacharem os temas para os responsáveis de TI:
  • Será que conhecemos as necessidades dos stakeholders (internos e externos) relacionados com as TI?
  • Será que entendemos como e onde as decisões relacionadas com as TI são tomadas?
  • Será que as ameaças e oportunidades relacionadas com as Tecnologias de Informação são consideradas nas decisões estratégicas da Organização?
  • Será que entendemos os benefícios dos investimentos relacionados com as TI? Será que sabemos quanto e porquê estamos gastando com recursos de TI?
  • Será que estamos cumprindo com todos os requisitos legais ou normativos que direta ou indiretamente estão relacionados com Tecnologias ou Informação?
  • Será que entendemos como a TI pode contribuir para a inovação dos produtos e serviços?
  • Será que a nossa informação crítica está protegida? Será que permanece confidencial, íntegra e disponível?
  • Será que estamos a tomar as estratégias de sourcing de serviçosde TI que melhor contribuem para a criação de valor na Organização?
  • Será que temos os instrumentos certos para medir o valor das Tecnologias de Informação na criação de valor?
  • Será que estamos monitorando devidamente o cumprimento dos objetivos relacionados com a TI?
Desta forma, o que se pretende é uma “desengenharização” da comunicação das Tecnologias de Informação, compreendendo que existe forma de abordar o valor das Tecnologias de Informação sem que seja pedindo ajuda a um especialista em engenharia!

Espero ter ajudado!

Bruno Horta Soares, CISA®, CGEIT®, CRISC, PMP®
"The more you know, the less you no!"
Para enviar as suas questões, dúvidas ou comentários para o "Consultório PortalGSTI" deverá utilizar o email: [email protected] Continue estudando governança de TI:

Vagas de TI na CAST


Mais de 200 vagas de TI na CAST Informática

Logo da CST infomratica
Vagas CAST tecnologia
Ultima atualização: 16/04/2014

Sobre a empresa

A empresa da área de Tecnologia da Informação, Cast Informática, está com mais de 200 oportunidades para profissionais de TI. 

Existem funções para localidades como: São Paulo, Campinas, Brasília, Recife, Belo Horizonte, Rio de Janeiro entre outras (consulte a lista completa no site)

Há vagas para diversas funções, comoprogramadores Java, .Net, analistas de sistemas juniores, plenos e seniores, analistas de infra estrutura, analistas de suporte, técnicos de suporte, analistas de testes, arquitetos dot.net, programadores cobol, programadores PHP, estagiários, técnicos de servicedesk, líderes de projetos, administradores de banco de Dados, consultores de projetos, entre outros. 

Candidatar-se

Confira as vagas no item "Vagas disponíveis" no site a seguir:


Outras oportunidades divulgadas recentemente:


        Consultor de Gestão de Serviços de TI: habilidades essenciais


        As habilidades essenciais para ser um consultor de Gestão de Serviços de TI bem sucedido em seus projetos

        Consultor cumprimentando o cliente
        consultor
        Nestes anos de consultoria na área de Gestão de Serviços de TI, utilizando boas práticas ITIL, percebo a preocupação dos Gestores de TI com a integração com os negócios e o ROI (Return of Investiment).
        É importante, como uma habilidade de um consultor em boas práticas, falar a linguagem de negócio, comunicando-se com organização, evitando termos técnicos, e focar no retorno e agregação de valor.


        Estes são alguns dos aspectos importantes para o dia a dia de um consultor desta área, e sobre eles e outros pontos relevantes, compartilho um pouco da minha vivência neste artigo. Espero assim expressar quais são as características quais considero essenciais para um consultor de gestão de serviços de TI.  

        As certificações profissionais

        Percebo que certificações profissionais não garantem o desempenho e sucesso do consultor no projeto. Elas são importantes, pois reforçam o domínio do profissional no conhecimento teórico em relação aos frameworks e boas práticas. Mas, de fato, são suas habilidades e experiências práticas que enriquecem a entrega de qualquer projeto.
        Para não haver desentendimentos e barreiras em qualquer projeto com uso de frameworks e boas práticas, é necessária uma harmonia entre teoria e prática.

        O papel da comunicação

        Em todos projetos que participei, reforço que a comunicação é vital para o sucesso de forma eficiente e eficaz.
        Com transparência na comunicação é possível ganhar a confiança das áreas de negócios e ter a multiplicação de sua atuação dentro da organização. 
        Em minhas consultorias em que tive barreiras na execução do projeto, percebi que sempre foram por causa da comunicação: linguagem técnica versus linguagem de negócio. Por isso, resolvi fazer um curso voltado para Gestão de Processos Gerenciais para ter mais familiaridade com a linguagem de negócios.
        Aprendi na prática que, em projetos de consultoria, apenas apontar os problemas ao invés de contribuir, traz uma insegurança tanto do terreno em que você está entrando quanto para as pessoas que o contrataram. O motivo é que nem todos tinham a visão do que existia por baixo da ponta do iceberg! Por isso, é necessário o desenvolvimento de uma política adequada para o tratamento e reporte das falhas/problemas do seu cliente.

        O verdadeiro papel do consultor

        Outra coisa que sempre me incomodou nos projetos: os gestores das áreas de negócios me tratarem como um simples agente de vendas de TI. Eu não sou da área comercial e invisto muito em conhecimento para poder agregar valor e trazer retorno sobre o investimento em todos os projetos em que atuo.
        É importante que o consultor e/ou profissional de Gestão de Serviços de TI deixe claro e transparente para quem ele presta serviços. Saber fazer o marketing de seus serviços de TI.

        Lições aprendidas

        Outra história relevante que tenho a contar diz respeito a um fato que me custou a saída de um projeto. 

        Ocorreu em uma situação inesperada, onde eu necessitava de coleta de evidências após reuniões de diagnóstico do ambiente TI e o cliente não colaborava, fazendo com que meu cronograma atrasasse. Durante a reunião de Status Report, juntamente com a CIO da organização, tratávamos sobre os prazos, quando pequei por falta de tranquilidade e tolerância, comprometendo a relação com o cliente e com o projeto. Uma situação chata, que eu faço questão de trazer neste histórico como dica para quem inicia ou almeja trabalhar como consultor: mantenha a serenidade ou perderá a sua razão! 

        Eu aprendi a minha lição e gostaria de complementá-la acrescentando que esteja pronto para ser questionado e seja humilde em reconhecer que não sabe tudo e que você também pode errar.

        “O custo do cuidado é sempre menor do que o custo do reparo” 

        Marina Silva – ambientalista, historiadora, pedagoga e política brasileira
        Existem dois outros aprendizados que tenho como dos mais valiosos para o profissional de consultoria: 
        • Em todos os projetos em que participei os que mais foram assertivos foram aqueles em que soube fazer as perguntas certas e na hora certa.
        •  Conheça tudo sobre seu cliente antes de iniciar qualquer projeto.
        De nada adianta você mostrar que sabe tudo sobre boas práticas, que participou de grande projetos se não souber cativar seu público alvo, convencê-los, e demonstrar agregou valor e trouxe retorno sobre investimento para a organização.
        Abaixo uma história retirada da internet de autor desconhecido para demostrar o que eu quis dizer:
        Uma dona de casa, num vilarejo, ao atender as palmas em sua porta…

        - ‘Oh de casa, tô entrando!’
        Ela se depara com um homem que vai entrando em sua casa e joga esterco de
        cavalo em seu tapete da sala. A mulher apavorada pergunta:
        - ‘O senhor está maluco? O que pensa que está fazendo em meu tapete?’
        O vendedor, sem deixar a mulher falar, responde:
        - ‘Boa tarde! Eu estou oferecendo ao vivo, o meu produto, e eu provo pra senhora que os nossos aspiradores são os melhores e mais eficientes do mercado, tanto que vou fazer um desafio: se eu não limpar este esterco em seu tapete, eu prometo que irei comê-lo!’
        A mulher se retirou para a cozinha sem falar nada.
        O vendedor curioso, perguntou:
        - ‘A senhora vai aonde? Não vai ver a eficiência do meu produto?’
        A mulher responde:
        - ‘Vou pegar uma colher, sal e pimenta e um guardanapo de papel.
        Também uma cachaça para te abrir o apetite, pois aqui em casa não tem energia elétrica!’
        Moral da história:
        Conheça o seu cliente antes de oferecer qualquer coisa.
        Com base na história acima, além de conhecer bem seu cliente, aconselho a não confiar demais no seu produto e/ou serviço. Tenha sempre em mãos um Business Case, Plano de Negócios, faça Benchmarks e apresente números e evidências que o que você propõe a fazer pode agregar valor de maneira eficiente e eficaz e trazer ROI.

        Dicas de capacitação

        Em relação a capacitação, além das certificações intermediárias e Expert da ITIL, acrescento uma dica que eu dou para quem trabalha com projetos de Gestão de Serviços usando a ITIL como referência: realizar um treinamento de ITIL e o Jogo doApollo 13.
        Houston, we have a problem!
        Uma das frases mais emblemáticas da história humana, se tornou significado de que alguma coisa, em algum lugar, por algum motivo, algo não está funcionando.
        E se esta está situação estiver relacionada ao ERP, ao CRM, ao website, ao e-Commerce, ao Controle de Estoque, ao Faturamento, ao Inventário, etc, etc, etc....??????
        O desafio constante de manter um ambiente de TI estável, integro  e confiável, que atenda as objetivos de negócio e ao mesmo tempo seja flexível ao ponto de rapidamente absorver novasdemandas e  aproveitar novas oportunidades, é a realidade dos profissionais e dirigentes de áreas de tecnologia  da informação de praticamente todas as empresas do globo.
        Mas, como tornar a TI mais confiável, mais ágil, mais fácil de usar e gerenciar? Como responder rapidamente às necessidades das áreas de negócio, mantendo a integridade e disponibilidade dos sistemas já existentes? Como mudar e aprimorar processos?
        E principalmente como fazer isso envolvendo as pessoas em uma mudança cultural e comportamental que se mostre mais duradoura?
        Que tal experimentar o desafio real de trabalhar em uma equipe multidisciplinar com um foco comum definido? Promover a melhoria da comunicação interna? Definir e usar controles e indicadores de desempenho para gerenciar a efetividade do trabalho e o atingimento de resultados?   
        Nesta dinâmica de simulação do Apollo13 – Uma experiência de Gerenciamento de Serviços de TI, é um jogo corporativo dinâmico e envolvente, onde os participantes poderão obter ao seu final as respostas para estas e outras questões pertinentes.
        Eu, aqui no Brasil, estou ajudando a disseminar as boas práticas da ITIL juntamente com outros consultores seniores e empresas.
        Boa sorte em seus projetos e qualquer dúvida entrem em contato!

        Anderson Marcelino Pereira
        ITIL Manager – São Paulo - Brasil
        br.linkedin.com/andersonpereira

        Artigos relacionados:

        Facebank: welcome!


        O Facebook quer se tornar o banco central da internet



        por Fred Santoro

        O jornal Financial Times confirmou esta semana algo que já discuto há anos: usuários do Facebook poderão transferir dinheiro e pagar contas através da rede social - assim como fazem no Pay Pal. 

        Cartão de crédito com a marca do Facebook
        Facebank
        Conheço um pouco sobre o tema pois trabalho numa empresa de tecnologia de pagamento  www.ntk.com.br, portanto imagino que o serviço funcionará com um saldo pré-pago que poderá ser recarregado com cartões de crédito e depósitos em alguns países. Hoje o Facebook já movimenta 5 bilhões de reais quase que exclusivamente gastos nos famigerados jogos sociais da Zynga.

        O usuário poderá realizar pagamentos internacionais de maneira mais fácil e provavelmente mais barata já que o Facebook não tem agência física, quer virar o Banco Central da Internet e tem dinheiro pra bancar uma estratégia muito agressiva. 

        Lembrem que o cadastro do Facebook já serve como "RG" para acessar muitos outros portais então isto não é nenhuma utopia; nenhum banco real tem o poder que o Facebook tem para dominar este mercado.

        Obviamente, estes serviços financeiros funcionarão na versão mobile do Facebook também, portanto pagar compras em pontos de venda que tenham Fan Page cadastrada no "Facebank" será tão fácil quanto compartilhar um post. Da mesma forma, devolver dinheiro a um amigo tomará o mesmo tempo de enviar o arquivo de uma foto.Tenho certeza que até o valor de doações para ONGs crescerá muito mundialmente graças ao poder viral da rede.  Acredito muito mais neste formato do que nos bitcoins que só fazem sentido para quem inventou e considero o golpe "avestruz" do século XXI.

        O Facebook precisa urgentemente de novas fontes de receitas, pois atrair anunciantes através da redução da taxa de conversão view/post está causando a migração de pequenos negócios e marcas para outras mídias digitais como Instagram, Twitter, Youtube e Google. Além disso, os adolescentes estão fugindo de seus pais nas redes sociais e por isso usam cada vez mais novidades como Snapchat e Whatsapp. Não é à toa que o Facebook está pagando fortunas por novas redes sociais, eles querem (e precisam) crescer em diferentes nichos e países.

        Implementar um sistema de pagamento rápido e barato em troca de um valor por transação poderá não somente criar novas Receitas sem canibalizar outras, mas também atrair e manter novos usuários.

        Tenho certeza que será um enorme sucesso.

        Welcome, Facebank!

        Good Luck!

        Outros artigos sobre redes sociais:

        Vagas de TI na Stefanini


        115 Vagas em aberto para profissionais de TI na multinacional Stefanini

        Número de vagas atualizado em 15/05/2014


         Sobre a Empresa

        Stefanini
        Stefanini
        A Stefanini oferece serviços em Consultoria, Integração, Desenvolvimento de Soluções, BPO, Outsourcing para Aplicativos e Infraestrutura, entre outros, com suporte em 32 idiomas e a flexibilidade de uma empresa focada na eficiência global. Fundada em 1987 como uma empresa de treinamento, a Stefanini tornou-se uma grande empresa multinacional de tecnologia. 

         Sobre as vagas

        São ao todo 115 vagas para cidades como:  Belo Horizonte-MG, Blumenau, Brasília-DF, Curitiba-PR, Macae-RJ, Niterói-RJ, São Paulo-SP, Recife-PE, Porto Alegre-RS, Pindamonhangaba -SP,Santana de Parnaíba-SP, Sorocaba-SP

        Candidatar-se

        Acesse todas as vagas e concorra:


        Outras oportunidades divulgadas recentemente:

          Anderson Marcelino é o novo colunista do Portal GSTI


          Novo colaborador no Portal GSTI: Anderson Marcelino Pereira

          Foto de Anderson Marcelino
          Anderson Marcelino

          Caros amigos,

          damos boas vindas a mais um colunista, que deve colaborar com diversos temas, sobretudo na área de gestão de TI. Conheçam o perfil do novo colaborado!

          Sobre Anderson Marcelino

          Gerente de TI – GERENTE DE TI – 40 anos de idade e 9 de carreira desenvolvida em empresas como: Brasoftware, TYG Projetos de Iluminação, AMP, Third IT Solutions, Ilumna, Business Indicators, Audisis Latam, Onset, ITXL, IT Partners, Top of Mind, WA, H2M e Spread. Reconhecido Internacionalmente pelo EXIN como ITIL Manager V2 e pelo ISACA COBIT Foudantion 4.1. ITIL Expert e PMP em certificação. Qualificado Profissionalmente no Nível Tecnológico em Operações conferido pela EBAPE da FGV-Fundação Getúlio Vargas; Qualificado Profissionalmente no Nível Tecnológico em Recursos Humanos; conferido pela EBAPE da FGV-Fundação Getúlio Vargas; Sólida experiência nas atividades relativas as áreas de Gerenciamento de Serviços e Governança de TI – utilizando frameworks como ITIL, COBIT, PMBOK, BPM; Amplo conhecimento em análise de nível de maturidade (Assessment), mapeamento de processos, documentações, entrevistas, matrizes de riscos e controles, plano de ações e recomendações; Coordenação de equipes de suporte e acompanhamento de cronogramas e projetos de TI; Acompanhamento e análise junto a fornecedores com o objetivo de propor a melhor solução interagindo no custo, desempenho, capacidade compatibilidade e tecnologia. Gerenciamento direto de equipe de Help Desk e Service Desk; Instrutor de Treinamento de ITIL Foundation para grupo fechados; Conhecimento dos controles exigidos pela lei Sarbanes Oxley nas Seções 302 e 404. Participação do Treinamento Apollo 13 – an ITSM case experience. Colunista na Revista Meio Byte de Portugal com artigos sobre Gerenciamento de Serviço e Governança de TI; Reconhecimento pela OAB/SP por Campanha de Segurança da Informação com usuários da TI .

          Logo mais será publicado o primeiro artigo de Anderson. Desejamos boas vindas ao colega!