Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Wellington Moreira

Esqueça o Orgulho da Autoria

Você quer levar o nome ou quer ver a ideia implantada? Poucas vezes na vida será possível conseguir as duas coisas.


vaidoso
Vaidade profissional

Quantas pessoas você conhece que ficam o tempo todo gritando aos quatro ventos serem autoras de um determinado projeto? Ou então que sempre reivindicam a paternidade das ideias que parecem promissoras? No entanto, se o reconhecimento autoral pode ser bom para o ego, vale a pena ser comedido ao festejar-se caso você pense sua carreira no longo prazo.

Isso me faz recordar a história da galinha e da pata. Mesmo botando ovos grandes e muito mais nutritivos a pata não chama tanto a atenção quanto as galinhas que fazem um estardalhaço generalizado toda vez que os seus são postos. Alguns se apressam a dizer que àquela falta marketing pessoal, mas se estiver preocupada com o futuro de seus ovos certamente age muito melhor do que a sua parceira propagandista.

O mesmo acontece com a carreira de alguns profissionais. Míopes, se dão por satisfeitos ao elevarem seus nomes como autores de alguma iniciativa , quando deveriam analisar mais a fundo as consequências de darem publicidade exagerada a seus feitos.  

Quando um projeto depende de muitas pessoas para ter sucesso e o envolvimento delas ainda está no início é recomendável não ter todos os holofotes voltados para si ; caso contrário, elas dificilmente comprarão a ideia. "Isto é coisa do RH" ou "uma loucura dessas só podia vir do pessoal de Marketing" são apenas formas que os indivíduos encontram para expressar que não querem servir de escada para outra área.

É comum encontramos profissionais isolados pelas próprias equipes por causa de seu pequeno horizonte de percepção que as impede de compreender que ao promoverem o baixo envolvimento dos patrocinadores internos criam focos de resistência totalmente desnecessários. O mesmo tipo de gente que no dia a dia adora dizer com empáfia "eu fiz" ou "eu tive a ideia" e só utiliza o pronome "nós" quando as coisas caminham de mal a pior.
É claro que você precisa ser reconhecido como autor, entretanto há um momento certo para isto. O prestígio deve ser consequência do trabalho bem feito e não algo forçado, afinal o protagonismo nas empresas não é construído apenas com iniciativas e intenções inspiradoras. É preciso que as boas ideias saiam do papel e proporcionem resultados expressivos.

Taí uma questão interessante. Os autores só se perenizam quando ótimos números ou feitos acompanham os seus esforços de iniciativa, pois de que vale sermos agentes propositivos se pouco nos importarmos com a execução daquilo que estreamos? É por isto que só é recomendável requerer a autoria das coisas com as quais estamos totalmente comprometidos.

Além disto, fique atento ao perfil de quem o lidera . Se ele for uma pessoa insegura e que sente a necessidade de se afirmar a todo o instante, é provável que você não receba o tipo de reconhecimento que espera, ainda que suas ideias ou opiniões sejam fabulosas, já que ele se sentirá ameaçado. Neste caso, é melhor aprender logo a lidar com o seu chefe ou então escolher outro lugar para trabalhar.
E também é preciso cair na real. Aquela história de "fulano roubou minha ideia e nem deu os créditos" cheira a ingenuidade. Você realmente acha que se estivesse sozinho aquele "seu" projeto teria tanto sucesso? Provavelmente não! Então por que exigir reconhecimento e louvor se os resultados foram fruto do trabalho coletivo e a concepção é apenas a primeira parte do todo?

Para quem busca incessantemente a vanglória pessoal em tarefas grupais o prêmio final é triplo: a autoria de um projeto mal sucedido, uma boa dose de frustração e o filme queimado. Por isto, antes de qualquer coisa, reflita: você quer levar o nome ou quer ver a ideia implantada? Poucas vezes na vida será possível conseguir as duas coisas.

Wellington Moreira
wellington@caputconsultoria.com.br 

COMPARTILHE

Wellington Moreira
Wellington Moreira13 Seguidores 71 Publicações CEO
Seguir
Palestrante e consultor empresarial em Formação de Lideranças, Desenvolvimento Gerencial e G. Estratégica, professor de pós-graduação. Mestre em Adm. de Empresas, MBA em G. Estratégica de Pessoas, autor dos livros Líder tático e O gerente intermediário.

Comentários