Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Marcelo Gaspar

Desvendando o BPM (parte 6)

Desenho de processos


Dando continuidade em nossa abordagem sobre BPM , hoje vamos falar um pouco sobre desenho de processos , utilizando como base o Guia para o gerenciamento de processos de negócio – Corpo comum de conhecimento - CBOK® (ABPMP) versão 2.0. 2009.

Desenho de processos envolve a criação de especificações para processos de negócio novos ou modificados dentro do contexto dos objetivos de negócio, objetivos de desempenho de processo, fluxo de trabalho, aplicações de negócio, plataformas tecnológicas, recursos de dados, controles financeiros e operacionais, e integração com outros processos internos e externos. Neste contexto abordamos o desenho lógico e o o desenho físico são entregáveis na fase de desenho de processos.

Dentre os motivos para se pensar em desenho de processos podemos citar:
  • Para o desenvolvimento de um plano para um estado desejado, seja para um redesenho de processos ou para o desenvolvimento de um novo processo;
  • Para garantir que processos de uma organização sejam eficazes, ágeis e eficientes;
  • Consiste na criação do modelo.
Abordagem do desenho de processos:
  • Mudanças transformacionais de processos que afetam a organização como um todo devem ter uma abordagem de cima para baixo (top-down);
  • Melhorias de processo específico ou departamentais requerem uma abordagem mais próxima à de baixo para cima (bottom-up).
Papéis na definição do Desenho de Processos:
  • Diretoria e/ou Liderança executiva – deve fornecer suporte e concordar com as mudanças desenhadas antes que sejam implementadas.
  • Equipe de desenho de processos – comumente, seleciona-se uma equipe inter-funcional que represente partes interessadas, participantes, especialistas de assunto e clientes. Caso contrário, o desenhista deve validar o desenho com estes indivíduos.
  • Especialistas de assunto – indivíduos que estão mais próximos aos processos e que possuem a especialização necessária para garantir que o projeto seja um sucesso.
  • Participantes e partes interessadas – qualquer um que participe do processo ou possua atividades que afetam o processo. Executam um papel-chave na definição dos processos de negócio por meio do esboço das atividades que compreendem o novo processo.
  • Cliente – teste do processo e comentário sobre a efetividade do que foi proposto. Envolver o cliente durante a fase de desenho aumenta as chances dos objetivos e resultados do processo serem alcançados mais rapidamente.
  • Gerente de Projetos – durante a fase de desenho, o gerente de projetos é responsável pelo cronograma, alocação de recursos, plano de comunicações, gerenciamento de escopo, mitigação de risco, entre outras atividades.
  • Facilitador – executa um papel-chave na fase de desenho de novos processos. Ele lidera a equipe através do desenvolvimento do desenho futuro dos processos. Profissional de processos especializado em gerenciamento de processos de negócio e conhecedor das necessidades da organização.
  • Donos do processo – ajudam na garantia de que o novo processo se adéqua aos objetivos requeridos, mantendo-se dentro do orçamento definido.
Abordaremos mais sobre desenho de processos no nosso próximo artigo.

COMPARTILHE

Marcelo Gaspar
Marcelo Gaspar3 Seguidores 58 Publicações
Seguir

Comentários