Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
Publicação

Redes Lógicas

foto de
André Rodrigues CONTEÚDO EM DESTAQUE

O que é uma rede lógica

Uma rede lógica é conceituada como uma abstração da #Infraestrutura de rede física, com o objetivo de tornar mais simples a organização de atribuição de redes para hosts, máquinas virtuais e serviços em redes que podem estar ou não conectados entre si, apesar de pertencerem a uma mesma rede física. 

Em uma rede lógica podem ser criados sites de rede para definir as VLANs, sub-redes IP e os pares de sub-rede IP/VLAN associados à rede lógica em cada local físico.

Rede física x rede lógica

É simples de distinguir: imaginemos que em uma determinada empresa existem 20 micros fisicamente conectados em rede. Destes, existem dois grupos de 10 micros que podem se comunicar entre si, dentro do mesmo grupo, mas não com micros do outro grupo. Isso é possível porque os 20 computadores pertencem a uma mesma rede física, mas estão em redes lógicas separadas.

Exemplo de uma rede lógica

Como exemplo, vamos analisar esta imagem utilizada pelos tutoriais da Microsoft: na ilustração, os hosts #Hyper-V que suportam cargas de trabalho de produção estão situados em dois locais físicos, e cada um deles utiliza uma variável VLAN e sub-rede IP.:

  • Reading
  • Seattle

As máquinas virtuais que executam cargas de trabalho de produção nos hosts wm Reading precisam usar o VLAN18 e ter um endereço IP na sub-rede 192.168.99.0/24. Já em Seattle, devem usar a VLAN 100 e ter o endereço IP na sub-rede 192.168.199.0/24.

Para permitir que a rede lógica de Produção seja suportada em ambos os locais, dois sites de rede devem ser definidos como mostrado na Figura.

Figura 01 - Definição de sites dentro de uma rede lógica

O site "Reading network" é segmentado para hosts Hyper-V implantados em Leitura (Reading). Ele define as sub-redes VLAN e IP que serão usadas por máquinas virtuais que se conectam à rede lógica de Produção quando executadas em um host Hyper-V no local de leitura.

O outro site de rede é escopo para o grupo anfitrião de Seattle e essencialmente define as VLANs e sub-redes que serão usadas por máquinas virtuais implantadas em Seattle.

Importante notarmos que, conforme mostrado na figura 01, o escopo da rede lógica para um grupo hospedeiro no site da rede, na verdade, não disponibiliza a rede para nenhum dos hosts dentro do grupo, mas simplesmente impede que a rede lógica seja associada a hosts que não estejam dentro dos grupos-alvo.

Para tornar a rede lógica disponível em um determinado host, você precisa associar a rede lógica a um adaptador de rede física nesse host. Usando a ilustração, READING-VMH2 é um dos servidores localizados em Reading. O servidor é um membro do grupo hospedeiro que está autorizado para a rede lógica de Produção, e uma vez que esta rede lógica foi associada com sucesso a um dos adaptadores físicos de rede, como mostrado na Figura 2, pode ser disponibilizado para o virtual Máquinas que funcionam nesse host.

Figura 02 - Redes lógicas associadas a um adaptador de rede física.

Você pode esperar que o resultado dessa configuração, uma vez que tenham sido implantados nos hosts em ambos os locais, seria que uma máquina virtual conectada à rede lógica de Produção pode ser movida entre os hosts em Reading e Seattle, sem requerer qualquer configuração adicional. O host Hyper-V do destino na nova localização garante que a máquina virtual esteja configurada com a VLAN e o endereço IP apropriados para a rede lógica na nova localização física.

Comentários