Publicação

Será que o importante é só funcionar? E por que muitos tem medo de inovar?

foto de
Andre Rodrigues


O título do post de hoje pode parecer um pouco agressivo para muitos e até mesmo quem ler o título vai falar logo de cara “Que título mais sem noção em André”, mas calma aí amigo. Preste bem atenção no post em ;). Sem mais delongas vamos ao nosso post de hoje.

 Será que realmente a frase “O importante é funcionar.” deve ser levada a sério? Não irei mentir que sempre compartilho historinhas sobre isso e também já ouvi vários desenvolvedores dizerem isto. Mas está frase não deve ser levada a sério no processo de desenvolvimento de aplicações principalmente aquelas onde tem um grande número de desenvolvedores. Tente imaginar você trabalhando com uma equipe de desenvolvedores de 5 pessoas (estou citando está quantidade, mas nada impede você imaginar um número maior), e no período de desenvolvimento você faz metade do projeto sozinho tudo funcionando, mas após este período outros desenvolvedores entram para trabalhar ao seu lado. Ops, espera; seu projeto está de uma maneira desordenada e para piorar sem comentários. Nessas horas a gente tem apenas duas saídas e sempre resultando em perca de tempo. São elas:

  1. Perder tempo estudando o projeto e comentando tudo para facilitar a vida de outras pessoas.
  2. Refazer o projeto do zero.
 “Caracas André, mas o que fazer então?”

 Você pode adotar padrões como MVC, MV, MVU ou inventar um padrão para que a equipe ou outras pessoas possam seguir sem que altere nada feito e não precisem perder tempo com um estudo a fundo do projeto já que o objetivo final é ganho de tempo e fazer com que o projeto cresça de forma saudável. Levando em conta maior a parte de Front-end para aqueles que gostam de desenvolver tudo na unha (isso não impede que você não use no back-end é claro), você pode dividir seus componentes em vários arquivos. Não entendeu o que disse com isso? Vamos lá para explicação um pouco mais a fundo! Digamos que você está iniciando o front-end de seu projeto e está indo para o CSS. Então antes de escrever qualquer linha no seu CSS crie uma pasta raiz e fora dela um arquivo de nome main.css para puxar os componentes externos.

“Afinal por que fazer isto?”

 A questão é organização e ganho de tempo em futuras manutenções. Continuando..., ao criar a pasta central e o arquivo main, agora crie uma pasta dentro da pasta CSS com o nome componentes ou componentes. Dentro dela coloque os diversos arquivos de seus componentes tais como: reset.css, grids.css e etc. Se você é como é eu uma pessoa que pensa muito na questão de fazer uma página ler o mais rápido possível, recomendo que minifique seu código ao lança-lo no servidor. Mas se estiver com medo da questão futuros suportes, então faça um backup. Mas como somos desenvolvedores que visam o ganho de tempo, aí vai uma super dica: Trabalhe com ferramentas como o Gulp. Este tipo de ferramenta permitir um ganho enorme em tarefas principalmente quando você trabalha com pre-processadores como Pulg, Stylus e outros. Sei que pode ser estranho falar isso, mas alguns minutinhos que você perde digitando coisas stylus –w main.styl –o main.css pode ser fatal dependendo o projeto que você está trabalhando.

 Agora vamos ao assunto que chega a dar medo em muitos devs. Sim a inovação! Por que muitos tem medo de inovar? Quando falamos inovação para boa parte da comunidade dev raiz já ouvimos aquele “não podemos inovar se não o sistema perde sua funcionalidade”, mas afinal você tem um backup certo? Então por que não testar algo novo? As vezes uma ferramenta nova pode te ajudar com várias coisas que a antiga não fazia. Bom vou dar um exemplo que aconteceu quando eu estava desenvolvendo um projetinho. Havia começado um projeto para uma Intranet tudo estava indo a mil maravilhas quando chego a parte de fazer as interações com usuário como validações de inputs e alguns poucos efeitos que o CSS ainda não faz sozinho. Foi aí que pesquisei sobre o meu público e com a pressa que estava e medo dos usuários não acessarem a informação joguei logo um Jquery. Para aqueles que ainda não conhecem o Jquery é uma biblioteca muito famosa de JavaScript e que apesar das novidades do mundo da web como React, Angular e Vue, está biblioteca ainda é mantida no mercado e tem várias funções que permiti passar a interação da informação com usuário digamos que 89% (este valor não é algo oficial! Caso queira uma valor oficial, visite a documentação da biblioteca), continuando nosso assunto..., eu logo adotei essa solução para rodar em navegadores antigos já que o tipo de usuário que iria usar não tem o costume de atualizar os navegadores. Logo eu postei no Facebook sobre o assunto e isso gerou a uma grande treta! Alguns amigos devs diziam: “cara sai do Jquery” e outros “tá mais que certo usar”. Confesso que fiquei perdido, mas eu fiz um backup do que já havia feito e decidi procurar uma solução para fazer algo inovador, e logo de manhã assim que garimpei bastante o Google atrás de soluções para rodar o Vue nos antigos navegadores, eu achei uma solução! Fiquei horas lendo sobre a forma de trabalho, mas foi algo que compensou. Então se você quer ser destaque no mundo da web, então não tenha medo de inovar.

Conclusão

 Após longo texto podemos ver que a frase “Está funcionando isso é o que importa”, não deve ser levado muito a sério no mercado de trabalho (principalmente em grandes agências). Outro detalhe importante é que não devemos deixar o medo nos fazer refém. Se você tem um backup de seu sistema e sabe programar, estude as novidades do mercado de trabalho mesmo que você não use exatamente hoje, mas vai aparecer um momento em que você irá ter que abandonar a antiga maneira que trabalhava para usar uma ferramenta nova de mercado que em boa parte dos casos sempre trazem ganho de tempo para aqueles que estudaram seu funcionamento. Por hoje é só amigo espero que tenha gostado do post. Um grande abraço e até o próximo ;) .


Comentários