Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
Publicação

Os quick wins do Gerenciamento da Capacidade

foto de
Fernando Palma CONTEÚDO EM DESTAQUE
03 quick wins na adoção do processo de Gerenciamento da Capacidade da ITIL V3 e como aproveitá-los

Seja bem vindo a mais um capítulo da série sobre ganhos rápidos ( quick

Gestão da Capacidade do Negócio, Serviço e Componentes
Sub Processos da Gestão da Capacidade.Fonte: http://www.impulsewear.com.br

wins
)
da ITIL V3! Neste capítulo, o Processo de Gerenciamento da Capacidade de Serviços foi escolhido como tema, para qual pretendo destacar 03 ganhos rápidos e como explorá-los.

Se você não leu os outros capítulos, não se preocupe, pois a leitura dos artigos anteriores não é necessária para compreensão deste. Caso deseje acompanhar a série, entretanto, recomendo que visite este primeiro artigo .

Gestão de capacidade é um processo pertencente ao Desenho de Serviços da ITIL V3 , que se estende por todo o ciclo de vida buscando assegurar a entrega do que é considerado durante a fase de concepção ( Estratégia de Serviços ).

Assim como a disponibilidade , a capacidade é uma requisito importante da garantia de um serviço. Se um serviço não entregar os níveis de capacidade e desempenho necessários, então a área de negócio não irá perceber o valor entregue por este serviço. Sem capacidade e desempenho, a utilidade do serviço não pode ser acessada . Em um exemplo simples, basta imaginarmos um sistema web com centenas de funcionalidades, mas que leva mais que 5 minutos para processar um cadastro (performance muito inferior à tolerada por usuários de sistemas web em geral).

Portanto, a missão da Gestão da Capacidade é garantir que a capacidade dos serviços de TI e infra-estrutura de TI atenda aos aos níveis de serviço e requisitos acordados atuais e futuros.

Se você deseja conhecer um pouco mais sobre este processo, recomendo as leituras citadas a seguir:
  1. 10 passos para elaborar um Plano da Capacidade de TI
  2. páginas 65 a 68 deste Ebook gratuito: Ebook ITIL V3
Feita esta breve introdução, detalho abaixo 03 ganhos que considero rápidos ( quick wins ) na adoção do processo de Gerenciamento da Capacidade , segundo as boas práticas da ITIL V3 .
03 ganhos rápidos ( quick wins ) da adoção do processo de Gestão da Capacidade e como explorá-los:
1) A capacidade necessária para os serviços é melhor justificada
É comum que o departamento de TI relate queixas em relação a falta de investimento adequado em recursos de TI, mas, na mesma proporção, é comum que os gestores de tecnologia não desenvolvam planos da capacidade e métodos adequados para reportar as necessidades para os serviços de TI, em linguagem que seja compreendida pela área de negócio.

Em um exemplo simples, a área de negócio pode não se convencer rapidamente da necessidade de 3 novos equipamentos, quando esta é reportada pelo gestor de TI. Mas, se esta necessidade é reportada através de impactos em processos de negócio, com números representativos e planos que demonstrem exatamente esta necessidade, então as chances de compreensão irão aumentar.

Como aproveitar este quick win ?
Use as técnicas adequadas para reportar a capacidade necessária para os serviços, interagindo com a Gestão da Demanda , Gestão da Disponibilidade e Gestão de Níveis de Serviço . A área de Negócio deve compreender como os requisitos da capacidade impactam diretamente nestes outros três: atender a demanda, garantir disponibilidade e níveis de serviços adequados.

Elabore o Plano da Capacidade em 03 níveis: gestão da capacidade do negócio , gestão da capacidade dos serviços e gestão da capacidade dos componentes . Descreva como as necessidades do nível acima influenciam no nível abaixo.

O cliente do serviço deve compreender o risco que assume ao optar por níveis de capacidade aquém da necessidade e estas ações descritas nos parágrafos anteriores são essenciais para traduzir a linguagem de TI para linguagem de negócio.

Se este tópico não está muito claro para você, talvez este artigo o ajude: 10 passos para elaborar um Plano da Capacidade de TI

2) Ajuda a diagnosticar incidentes relacionados a desempenho e capacidade
As informações geradas por este processo, armazenadas em uma base denominada Base de Dados da Capacidade , são úteis para diagnósticos mais rápidos e eficazes para incidentes relacionados diretamente ou indiretamente ao desempenho dos serviços.
Como aproveitar este quick win ?
Paneje como irá organizar a Base de Dados da Capacidade. Defina procedimentos de armazenamento, controle e reporte da informação e não esqueça de definir o dono deste banco de dados .

Devemos lembrar que bases da dados devem estar bem estruturadas e seguir regras para que a informação seja íntegra, rastreável, confiável e, portanto, a equipe de TI dê credibilidade e a utilize de forma eficiente e eficaz. Bases de Dados mal administradas não contribuem para o conhecimento .

3) Motiva a inovação
O principal responsável por este processo deverá reportar como suas atividades contribuem para reduzir custos e prover melhor desempenho dos serviços. Ou seja: manter adequação com custo-benefício aceitável. Ou seja: fazer mais por menos.

Para alcançar esta meta desafiadora, uma conclusão é comum para os gestores da capacidade: inovar é preciso.

Como aproveitar este quick win ?
A pessoa escolhida para gerenciar este processo deve ter um perfil inovador , conhecer as opções para entregar a necessidade com a tecnologia adequada, dentro do melhor custo-benefício.

Fora estas, é relevante citar a prevenção de impacto de mudanças em relação a capacidade dos serviços . Tal benefício é detalhado no artigo: Os quick wins do Gerenciamento da Disponibilidade - o quick win é o mesmo, apenas o tema é distinto: enquanto lá tratávamos sobre a importância da presença do dono do processo de gestão da disponibilidade em comitês de mudança, aqui seria o gestor da capacidade .

Espero que os pontos detalhados aqui tenham sido importantes para você. Nos próximos artigos desta série irei trabalhar com outros process da etapa de Desenho de Serviços e Transição de Serviços. Até lá!

Outros artigos desta série:

Comentários