Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
Publicação

A interessante relação das gerações com a tecnologia.

foto de
Thiago Santos CONTEÚDO EM DESTAQUE

Eu não sou nenhum pesquisador e/ou analista de comportamento humano, mas reparo bastante nisso para poder entender um pouco melhor quem estou atendendo. "Mas você atende as pessoas de formas diferentes?" - OPA SE ATENDO!

É legal ver a diferença do comportamento das gerações (aqui eu divido entre os mais antigos e os mais novos - embora não seja muito bonito de se ler - e não como geração X,Y,Z,etc) diante de um problema com alguma tecnologia ou apenas diante do computador em uso.

O tempo de espera, seja na tela de travamento ou para a solução do problema é bem diferente. Os mais antigos tem mais paciência (se é que podemos chamar assim) com os problemas de tecnologia, mas por outro lado se irritam mais por não saber como solucionar. Em conversa com algumas pessoas, descobri que é por um sentimento de incapacidade. Sentem-se incapazes de solucionar um problema que o "menino da informática" vai e resolve em 2 cliques.

Para os mais novos, a solução do problema tem que ser já, tem que ontem, já tinha que ter sido... Não importa o que você fez, apenas que seja feito e "deixe-me continuar aqui". É uma geração que quer tudo muito rápido, pelo fato de que conviveram mais com a tecnologia na infância, com o "Google Daddy", com pesquisas de 10 minutos na internet e "plin", temos um trabalho escolar prontinho, formatado e encapado.

*Não que eu seja tão antigo assim, na verdade, tenho menos de 30, mas eu peguei o disquete, o CD, o download de UM arquivo .mp3 (música) por dia na internet discada após 00:00 pelo iTelefonica. 

Como e por qual motivo eu prestaria um atendimento igual para uma pessoa de 50 anos e uma de 20? Não tem absolutamente nenhum nexo nisso! Chega a ser uma falta de respeito com o cliente (por cliente, entenda cliente ou funcionário da mesma empresa em que você trabalha).

Como eu vou chegar no local de trabalho de uma pessoa de 50, 60 anos, dar bom dia, resolver o problema e virar às costas? Eles gostam de explicações, O QUE VOCÊ FEZ?, O QUE ERA O PROBLEMA?...

Da mesma forma que, como eu chego no local de trabalho de um jovem de 20 anos, resolvo o problema e tento explicar tudo, ponto por ponto para ele o que aconteceu, como soluciona, que a memória RAM funciona dessa forma e o HD daquela? Ele já está sem paciência para olhar para a minha cara, imagina ficar ouvindo sobre como eu resolvo o problema que já está o atrasando.

Ilustremos com um exemplo da diferença abaixo:

- Você desenvolve um aplicativo para todos os públicos. Um aplicativo de chat e espera que todas as idades utilizem o seu aplicativo.

Na tela inicial você coloca: Faça o login para o chat, numa tela com várias cores, verde, amarelo, vermelho, botões de configuração, compartilhar no Facebook, Twitter, quando o usuário clica pede para vincular sua conta com o Google+, se você deseja criar uma conta Cloud para armazenar a sua conversa, qual a frequência do backup com o Cloud e tudo mais...

Quais são as chances de eu (com 60 anos) utilizar o seu aplicativo ENTUPIDO de informações que eu "recém" conheço? Eu diria que mínimas, senão zero! Até baixo, mas deleto em 2 minutos. Eu faço isso atualmente, imagina nessa idade. Você também deve fazer, afinal, qual o motivo de não utilizar o Baidu e odiá-lo tanto? ;)


Preste atenção em quem você está atendendo sempre.


* Lembrando que estou desconsiderando qualquer traço de caráter e generalizando apenas por vivência minha.


~A foto que encontrei no Google para título da matéria foi a melhor de todos os tempos...

Comentários