Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
Artigo

Um piloto não pousa o avião sozinho!

foto de
João José Silva CONTEÚDO EM DESTAQUE


Sully - O herói do rio hudson

O filme se passa em 2009 onde o piloto Chesley "Sully" Sullenberger vivido por Tom Hanks, que logo após decolar é atingido por uma revoada de pássaros e tem as duas turbinas danificadas. Sully não vê outra alternativa senão fazer um pouso forçado em pleno rio Hudson. O pouso é feito com maestria e todos os 155 ocupantes da aeronave saem vivos, mas Sully mesmo sendo considerado um herói nacional não escapa de responder na justiça sobre a decisão tomada.

E é ai neste ponto onde quero chegar! No final do seu julgamento, uma das integrantes da mesa diz a ele o seguinte:

"Posso dizer isso com total certeza, depois de conversar com o restante da tripulação, com especialistas em pássaros, engenheiros aeronáuticos, depois de analisar todos os cenários, depois de entrevistar todos os envolvidos, existe uma variável nestes resultados. Que é você, Capitão Sullenberger. Retirando você dessa equação...O resultado não é o mesmo." 

E a resposta dele foi a seguinte:

"Eu discordo! Eu não estava sozinho, foram todos nós. Jeff, Donna, Shila, Dureene, todos os passageiros, operários do resgate, o Controle Aéreo, resgate aéreo e mergulhadores.Todos nós somos responsáveis. Nós sobrevivemos."

Com mais de 40 anos de experiência em pilotar aviões, o capitão Sully tomou a decisão de pousar no Rio Hudson para tentar salvar todos as vidas que estavam sob sua responsabilidade. A decisão foi dele, mas a partir daí, mesmo que ele não tenha explicitamente dito a ninguém, todos os envolvidos começam a trabalhar em conjunto para que o objetivo (pousar e salvar todas as vidas a bordo) fosse alcançado com sucesso.

É possível assistir a um belo exemplo de uma equipe autogerenciada, pois cada um sabe o seu papel e a importância em executá-lo para que o todo prevaleça e neste caso, saiam com vida. As comissárias de bordo seguem os procedimentos de segurança, os passageiros ficam em ordem e em posição de impacto, o co-piloto faz todas as checagens necessárias e por fim o piloto faz o pouso com sucesso.

Foi muito bom ver ao final do filme que o Herói da história tirou o holofote de si mesmo e apontou para todo os outros envolvidos os quais fizeram parte, tanto quanto ele, no sucesso do time. Imagine um piloto executando todas as suas atividades sem a ajuda da torre de controle, da tripulação, do copiloto e até do computador de bordo....

O objetivo deste texto é trazer uma reflexão a todos nós para que, como integrantes de uma equipe, possamos procurar cada vez mais a autogestão e enquanto lideres, tenhamos a humildade e a integridade de reconhecer o valor e a importância do nosso time, pois um piloto não pousa um avião sozinho!

Comentários