Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Emerson Dorow

Gestão de TI e o Cloud

Existia um tempo que a área de TI era única e exclusivamente quem trazia para a empresa e seus departamentos as novidades da tecnologia que poderiam alavancar os negócios, ganhar produtividade, reduzir custos entre outros. Com o passar dos anos, a tecnologia se tornou integrada a nossas vidas, e as novidades e possibilidades aumentam a cada dia. A empresa não depende mais da TI para trazer novidades para o negócio. A compra de um serviço está restrita a poucos cliques e um número de cartão de crédito. Neste cenário é fácil entender que se a TI não responder na velocidade e qualidade demandada pelo negócio, os departamentos irão comprar seus próprios serviços. E como a TI pode responder mais rapidamente as necessidades do negócio e ainda reduzir custos? Transferindo as atividades que não geram valor e focando naquilo que gera valor para o negócio (e para TI).
Neste cenário, temos uma realidade sem volta: o Cloud. Muito em breve as pessoas vão se perguntar: Como a empresa (e nós) vivia sem cloud? Notem que o Cloud não é uma nova tecnologia, mas um novo formato de entrega dela.
Assim como eu imagino hoje (tento imaginar) que um dia cada empresa tinha que gerar a sua própria energia, será com o cloud daqui alguns anos. Imagine o custo de gerenciamento, e a quantidade de pessoas envolvidas! Hoje as empresas acompanham o consumo de energia, a qualidade e procuram otimizar para reduzir custos. Se quero ligar uma nova máquina, basta ligar na tomada, com pouco ou nenhum transtorno. Mesmo assim muitas empresas optam por ter gerador. Por que? Porque o fornecedor de energia pode ter problemas de fornecimento e existem fatores externos (distribuição) que podem afetar a entrega. Por isso as empresas contratam níveis de serviço para maior garantia de entrega.
Lendo o parágrafo acima, é possível fazer algum paralelo com a área de TI? Acredito que daqui há alguns anos poderei reescrever o parágrafo acima substituindo a palavra “energia” por “infraestrutura de TI” em função do Cloud. Abaixo listei algumas vantagens do uso cloud:
  • Pagar pelo uso;
  • Transferência de riscos;
  • Alta disponibilidade;
  • Alta capacidade de armazenamento e processamento;
  • Agilidade para “ligar” e “desligar” (redução do Time To Market);
  • Permite foco no core business.
Na minha opinião, a aderência a Cloud não será questão de escolha, mas sim de sobrevivência. É questão de tempo. Tudo vai para o Cloud? Acredito que não, ou pelo menos a curto e médio prazo. As novas aplicações serão desenvolvidas pensando em Cloud, aí talvez esta realidade esteja mais próxima.
Neste cenário, entendo que o gestor de TI será responsável por gerenciar o Cloud, e se tornará muito mais focado no negócio que hoje. Mas como? Verificando quais soluções de cloud no mercado (entre públicas, privadas e hibridas), tecnologias (entre IAAS, SAAS e PAAS), aplicações, apoiar os departamentos na decisão sobre qual solução de nuvem utilizar, otimização de uso de recursos, gestão dos custos.
Com certeza Cloud é um assunto que falaremos muito daqui para frente.Com certeza as próximas versões de ITIL, CobiT, ISOs e etc irão entrar mais afundo neste tema, apesar do Cloud ser infraestrutura e aplicação entregue de uma forma diferente, mas uma coisa é certa: Cloud veio para ficar e mudará para sempre como fazer TI e negócios.
Um grande abraço e até mais!!

Mais sobre Cloud Computing no Portal GSTI:

COMPARTILHE

Emerson Dorow
Emerson Dorow3 Seguidores 13 Publicações
Seguir

Comentários