Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Fernando Palma

Cidades Inteligentes Com Internet das Coisas

"Coisas" Conversando Por Todos os Lados, Em Todos os Lugares que Você Passa...


Em um artigo recente eu comentei um pouco sobre A Internet das Coisas Domiciliar. Quem me visitou por lá, foi convidado a passear um pouco pelas facilidades e comodidades possíveis a partir desta nova "mania mundial" de conectar à internet tudo o que vemos pela frente.

Se nos domicílios as novidades parecem se multiplicar, aqui então caminharemos por um hall de possibilidades onde quase não há limite, e sob a ótica de dimensões igualmente intermináveis, a ponto que chega a desafiar nossa imaginação. Estou falando das contribuições da #Internet das coisas (IOT)* para cidades, com finalidade de torná-las inteligentes. 

Antes de mais nada, uma pequena ressalva: se por acaso você caiu aqui de para quedas e nunca ouviu falar deste tema, recomendo dedicar apenas 1 minuto para conhecer melhor o conceito aqui: Sobre Internet das coisas (IOT)

*usarei sempre a sigla "IOF" (Internet Of Things) para me referir a Internet das Coisas, ok? 

O Que é Uma Cidade Inteligente?

A terminologia "cidades inteligentes" já foi e ainda é associada a diversos contextos, não necessariamente pertinente ao avanço tecnológico utilizado. Uma cidade pode receber este "título", por exemplo, por apresentar boas soluções para a engenharia de mobilidade pública, ou por ter conseguido reduzir drasticamente a poluição e ao mesmo tempo otimizar os custos. A recíproca é verdadeira: uma cidade digital / que usa de tecnologia não necessariamente é considerada uma cidade inteligente. 

Atualmente, no entanto, a expressão é mais usada para referenciar cidades que usam de tecnologia *¹ para gerar resultados positivos sob aspectos como os que exemplifico no próximo tópico: trânsito, estacionamento, gestão de ativos e patrimônio público e meio ambiente.

*¹ - Há também outros jargões como "cidades virtuais, cidade informatizada e cidade eletrônica" Komninos (2014), menos comuns. 

Se a tecnologia é o principal recurso de cidades contemporâneas "intelectualmente" evoluídas, a Internet Das Coisas (IOT) então é a bola da vez quando se trata de "intelectualizar" cidades, e promete cumprir o desafio com veemência, resolução e maestria jamais antevistos.

Sobre o Que Conversam "as coisas" em Cidades Inteligentes?

A seguir, alguns exemplos do que pode ser realizado graças a IOT.

Gestão do Tráfego 

  • Sensores espalhados pela cidade mapeiam informações sobre o trânsito que são enviadas para painéis eletrônicos na pista, orientando qual das vidas está mais livre.
  • Informações semelhantes podem ser recebidas por veículos autônomos, que seguirão pelo melhor trecho.
  • Semáforos podem funcionar de acordo com as informações recebidas, dando preferência a liberar vias que estão mais congestionadas.
  • Sensores avisam sobre a manutenção de um determinado trecho de uma pista, prevenindo motoristas e recomendando uma velocidade máxima inferior ao padrão da pista.
  • Túneis podem ser monitorados em relação ao fluxo de ar e visibilidade. Quaisquer informações relevantes são divulgadas em tempo real, da mesma forma que descrito nos tópicos anteriores.
  • Sensores instalados em estradas medem a temperatura, umidade e parâmetros semelhantes em rodovias . Esta solução é importante para avaliar condições climáticas que afetam a segurança de uma rodovia, e tomar medidas preventivas.

Estacionamentos

  • Como já ocorre em em estacionamentos de grandes shoppings, sensores identificam e reportam a motoristas onde existem vagas de estacionamento livres.
  • A médio / longo prazo, as informações coletadas sobre disponibilidade de vagas pode ser utilizada pela prefeitura para tomada de decisões.
  • Informações transmitidas por sensores orientam veículos autônomos a encontrar vaga no estacionamento. 

Gestão de Ativos

  • É possível monitorar toda a infra estrutura da cidade em tempo real: nas ruas, escolas, hospitais e todos tipos de lugares e instalações públicas.
  • Os ativos monitorados incluem postes de iluminação, estruturas de praças e parques, sinaleiras, equipamentos eletrônicos, ônibus, pontos de ônibus, telefones públicos, dentre diversos.
  • O controle de status dos ativos (o que está ou não funcionando) contribui para eficácia e agilidade de manutenção. Quando uma lampada de um poste queima, por exemplo, esta informação é recebida imediatamente por responsáveis que podem desde já tomar providências.

Segurança

  •  É possível identificar determinadas situações e reagir no momento que elas ocorrem (ex.: vandalismo), uma vez que os ativos que estão sendo atacados transitem informações em tempo real.
  • O acompanhamento em tempo real da “saúde estrutural” de uma ponte reduz o risco de incidentes. Isto porque aspectos técnicos podem ser monitorados: vibração, pressão, umidade e temperatura. Soluções como estas, poderiam ter evitado a perda de vidas humanas na tragédia da ciclovia do RJ em 2016,  ou na queda do viaduto de BH, em 2014.
  • Os sensores funcionanm como fortes aliados das câmeras como instrumentos básicos de trabalho da inteligência policial.

Meio ambiente

  • Gestão de resíduos de aterro e o desmatamento das florestas.
  • Gestão de esgotos e lixo.
  • Monitoramento de  oceanos e rios.
  • Controle de qualidade da água. Ex.: Com o uso de sensores, não será preciso enviar uma equipe para medir a qualidade da água da Bahia de Guanabara, pois isto será feito cotidianamente, em tempo real. 
  • Controle de disponibilidade de água. Pode ser muito útil, por exemplo, para acompanhar à distância e em tempo real as reservas de pequenas cidades do nordeste.
  • Monitorar a emissão de gases (CO, CO2, NO2, O2, SH2 e PM-10)

Por Que Esta Lista de Possibilidades Não Tem Fim?

Como mencionei no início do texto, ideias intermináveis surgem e tendem a surgir para IOT como solução para cada uma das áreas que elenquei aqui. Centenas ou milhares de outras áreas também podem ser exploradas!

Esta lista não tem fim por um simples motivo: estamos falando de uma internet que está surgindo para coisas assim como a internet para pessoas um dia sucedeu. Imagine que alguém que nunca acessou a internet pergunte a você:

"A internet (de pessoas) é usada para que ?"

Provavelmente seria difícil dar uma resposta completa, assim como é difícil citar todas as possíveis utilizações que possam vir a ter a IOT, mesmo sob a delimitação de um escopo, como eu fiz aqui (as cidades).

Exemplos de Cidades Inteligentes com IOT  

Por último, separo abaixo alguns exemplos para quem tiver curiosidade de saber um pouco mais sobre cidades que deram passos a frente com o uso de IOT: 

Continue estudando Internet das Coisas No Portal GSTI:

COMPARTILHE

Fernando Palma
Fernando Palma207 Seguidores 574 Publicações Consultor de TI, CEO
Seguir
Sou fundador e CEO do Portal GSTI, Consultor, professor e instrutor em Governança de TI e Gestão TI. Graduado em SI, mestrando em administração, Certificado ITIL Expert, ITIL Manager, COBIT, OCEB, ISO 20k, e ISO 27k.

Comentários