Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Telma Gomes Souza

900.000 vagas de TI na Europa!

Na Europa, existem mais de 900.000 vagas em aberto relacionadas a Tecnologia da Informação


Para enviar as suas questões, dúvidas ou comentários para o "Consultório PortalGSTI" deverá utilizar o email: consultorio@portalgsti.com.br

Bruno Horta vestido de médico
Consultório Portal GSTI


Consultório Portal GSTI #25 – “900.000 vagas de TI na Europa!”

Caros leitores,

Em Março de 2013 o Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso , anunciou o lançamento da iniciativa A grande aliança para os empregos digitais , a qual tem um principal objetivo: combater o flagelo da empregabilidade .


Convocado

A constatação foi simples, embora inquietante: “ Existem mais de 900.000 vagas de empregos relacionados com as Tecnologias de Informação por preencher na Europa.

Ou seja, não se tratou de uma iniciativa de estímulo econômico através de incentivos para as empresas criarem novos postos de trabalho para 900.000 profissionais, mas precisamente uma iniciativa de incentivos para que os trabalhadores queiram e possam trabalhar! Por outras palavras, não se trata de uma iniciativa de combate ao Emprego mas uma iniciativa de combate à Empregabilidade , duas palavras tão parecidas e com significados tão diferentes.

Para responder a este desafio foram definidas quatro principais linhas temáticas (Agenda digital; Educação e aprendizagem; Competências digitais; e Emprego) e identificadas as principais partes interessadas nesta aliança, (tais como os profissionais, os empregadores, a academia, os fornecedores de TI, as empresas formadoras, entidades certificadoras etc.).

O cruzamento das diferentes linhas temáticas levou à identificação dos cinco principais objetivos estratégicos, os quais deverão garantir o alinhamento de todas as partes interessadas e a medição do sucesso das iniciativas:

Objetivo
Descrição
Formação e alinhamento com os empregos digitais
Melhorar o alinhamento da oferta de formação TIC com as necessidades e boas práticas da indústria.
Certificação
Melhorar o reconhecimento de qualificações de profissionais, estimulando a de competências digitais dos profissionais TIC alinhadas com nas frameworks reconhecidas.
Enovação no ensino e aprendizagem
Aumentar a oferta e melhorar o alinhamento dos cursos superiores universitários com as necessidades e boas práticas do mercado das TI.
Mobilidade
Estimular a mobilidade no emprego para reduzir as barreiras físicas e desequilíbrios de mercados de trabalho entre países.

Atrair mais jovens para as TI
Melhorar a imagem das profissões e carreiras relacionadas com as TI e aumentar o awareness e atratividade destas junto dos jovens.

Mas porquê falar de uma iniciativa Europeia no Portal GSTI? Só o leitor mais distraído poderá achar que se trata de um desafio Europeu! Este é um tema global e atual que afeta África, Brasil, EUA ou qualquer outro ponto do planeta, porque o que está em causa não são as necessidades locais ou pontuais de Emprego, mas o desafio gigante relacionado com a Empregabilidade num mundo cada vez mais global e digital.

Para poder fazer a prova de conceito do que acabei de dizer, nada melhor que partilhar convosco duas iniciativas que tenho acompanhado de perto e que são dois casos de sucesso que estão relacionados com esta mudança de paradigma. Tais iniciativas poderiam perfeitamente ter sido desenvolvidas em Lisboa, Porto, Brasília, Rio de Janeiro ou São Paulo, mas como o conhecimento digital não tem fronteiras, vou falar-vos de duas iniciativas que foram lançadas em Coimbra e João Pessoa, duas cidades distantes no mapa mas que no campo do ensino de competências digitais é mais o que as une do que aquilo que as separa.

Falo-vos da Pós-graduação em Auditoria Risco e Controle de Sistemas de Informação lançada pela Coimbra Business School em formato B-learning e do duplo MBA em Governança e Gestão de TI lançado pela Unipê.

Em ambos os casos, existiu uma visão muito clara de que a formação de jovens e adultos nas áreas de TI não pode estar limitada a barreiras geográficas e de que o sucesso das iniciativas apenas pode ser medido pelo nível de empregabilidade dos seus formandos, uma empregabilidade que não está limitada pelas competências de quem promove o ensino ou dependente da oferta de empregos em Coimbra ou João Pessoa, mas uma empregabilidade centrada no profissional e na sua capacidade de trabalhar e colaborar a uma escala global através do alinhamento das suas competências com boas práticas TI de referência.

O que une estas duas realidades não são os professores, os alunos ou os empregadores, mas as competências que estão a ser trabalhadas para que todas estas partes interessadas possam melhor alinhar as expetativas. Desta forma, ainda que de forma indireta, está a dar-se cumprimento aos objetivos anteriormente referidos de:
  • Promoção das certificações relacionadas com as TI , promovendo boas práticas globais como é o caso do ITIL ou do COBIT ;
  • Desenvolvimento de um maior alinhamento entre a academia, as competências dos profissionais e as necessidades do mercado;
  • No caso de Coimbra, utilização de novas plataformas de ensino B-learning, possibilitando que profissionais do mundo lusófono, em particular de África, pudessem aceder a uma experiência acadêmica inovadora; e
  • Alargamento da oferta de produtos de formação de qualidade em áreas emergentes de TI, a qual irá certamente atrair mais jovens (e menos jovens) para carreiras de sucesso nas TI.
Resumindo, duas cidades, múltiplas realidades, um modelo de competências de TI!

Como podemos ver, de uma forma mais ou menos estruturada, o mundo está a cada dia a tomar consciência da grande transformação que está a ocorrer ao nível das competências profissionais. Muitas iniciativas têm vindo a ser lançadas neste contexto, mas muito mais está ainda por fazer. Mais uma vez a decisão final caberá aos profissionais, podendo escolher a qual dos dois grupos irão pertencer:
  1. Aos que vão continuar a olhar para o passado com saudade à espera que a sorte lhes traga um emprego?
  2. Aos que vão olhar para o futuro com confiança e acreditar que as competências digitais poderão ser um fator crítico de sucesso e uma porta aberta de oportunidades que não olham a idade, sexo, cor, religião, geografia…
Espero ter ajudado!

Bruno Horta Soares, CISA®, CGEIT®, CRISC , PMP®
"The more you know, the less you no!"

Para enviar as suas questões, dúvidas ou comentários para o "Consultório PortalGSTI" deverá utilizar o email: consultorio@portalgsti.com.br

Outros artigos do autor:


COMPARTILHE

Telma Gomes Souza
Telma Gomes Souza56 Seguidores 360 Publicações Outros
Seguir

Comentários