Portal GSTI
Portal GSTI

PublicarCadastre-seLogin
Menu
foto de
Fernando Palma

Gerenciamento de Mudanças em pequenas empresas

Dicas para adotar a gestão de mudanças conforme as boas práticas da #ITIL em pequenas empresas.

1) Minimize seu escopo

A organização precisa definir quais mudanças estão dentro do escopo do processo e quais não devem ser tratadas por ele, tais como mudanças rotineiras e mudanças organizacionais que fogem da alçada do departamento de TI. Você está em uma pequena empresa, onde as mudanças para TI são, provavelmente, geridas de forma tácita até então. Dê um passo de cada vez. Feche um pequeno escopo e vá incrementando com o passar do tempo.

Não é adequado que, por exemplo, você limite o escopo do processo a mudanças em sistemas. Mas, se isso for ser preciso, não há nada de errado em fazê-lo por um tempo limitado, até que a equipe insira-se na cultura do processo.

2) Trabalhe com formulário de requisição mínimo

Um formulário de requisição de mudanças em serviços deve conter atributos com: identificador, título, data de requisição, data de atualização, solicitante, benefícios, impactos, riscos, esforço, membros do comitê de controle de mudanças, requisitos detalhados, entre outros. É prudente, entretanto, que inicie o processo com o mínimo de informações possíveis, para evitar a resistência em relação a seu preenchimento.

3) Use os comitês para avaliar o impacto

Em pequenas organizações, é pouco comum que exista uma ferramenta completa e atualizada de Gerenciamento de Configuração. Na falta dela, apele com mais frequência para Comitês de Controle de Mudanças. Já que sua empresa não é grande, provavelmente seus membros terão maior proximidade e viabilidade de reunir. Eles serão peças chave para avaliar de melhor maneira os impactos da mudança no serviço, pois de alguma forma participam ou serão afetados pro ele.

4)  Use ferramentas livres para trabalhar com o processo

Existem processos para quais não há alternativa, senão usar uma ferramenta poderosa e - normalmente - custosa para sua automação. É o caso, por exemplo, do gerenciamento de configuração.

A boa notícia é que a gestão de mudanças é um exemplo oposto: você não precisa de um softwre poderoso para trabalhar seu contexto em uma pequena empresa. Eu mesmo, já apelei para alguns softwares livres como dotproject (desenvolvido para gestão de projetos) e mantis (bug tracker) que, adaptados, serviram perfeitamente para trabalhar com um processo em empresas pequenas.

5) Faça entrevistas para preencher o formulário de mudanças

Em uma pequena empresa, provavelmente não existirão políticas / normas, emitidas pela alta direção que determinem o cumprimento do processo. Em outras palavras, você poderá conviver com resistência.

Depois de garantir uma boa abordagem de conscientização , sugiro que inicie o trabalho deste processo através de entrevistas com usuários e clientes dos departamentos.

Agende um dia da semana para esta tarefa. Preencha você mesmo o formulário, ou delegue a tarefa a outro profissional de TI. Se você tiver sido assertivo com seu formulário, não usará mais de 15 minutos para documentá-lo e colherá os benefícios a seguir:

  • Você estará dando exemplo de como fazer.
  • Em vez de exigir que as pessoas assumam uma nova tarefa (do preenchimento da requisição), estará se disponibilizando para escutar as suas necessidades.
  • Estará estimulando a aproximação entre TI e área de negócio.
  • Em pouco tempo, conseguirá documentar a maioria das demandas de mudanças que usuários propõem para serviços de TI.

Não estou sugerindo que mantenha a atividade de registro de mudanças desta forma, mas que faça isso apenas no início, para estimular a prática.

6) Use templates públicos

Se você está em uma micro empresa que não costuma contratar grandes consultorias para adoção de processos, invista tempo em estudar documentos de livre acesso. O próprio Portal GSTI disponibiliza dois:

Outros artigos sobre ITIL em pequenas empresas:

COMPARTILHE

Fernando Palma
Fernando Palma206 Seguidores 574 Publicações Consultor de TI, CEO
Seguir
Sou fundador e CEO do Portal GSTI, Consultor, professor e instrutor em Governança de TI e Gestão TI. Graduado em SI, mestrando em administração, Certificado ITIL Expert, ITIL Manager, COBIT, OCEB, ISO 20k, e ISO 27k.

Comentários